PSICOLOGIA DO ADOLESCENTE

 

        Adolescência é a fase do desenvolvimento humano que marca a transição entre a infãncia e a idade adulta. Com isso essa fase caracteriza-se por alterações em diversos níveis - físico, mental e social- e representa para o indivíduo um processo de distanciamento de formas de comportamento e privilégios típicos da infância e de aquisição de características e competências que o capacitem a assumir os deveres e papéis sociais do adulto.

       Mudanças na cognição, ou no pensamento, além das mudanças biológicas e modificações nos papéis sociais, representam o grande conjunto de transições na adolescência. Assim como o desenvolvimento nos outros dois domínios, as modificações cognitivas apresentam um impacto profundo no desenvolvimento psicológico e social do adolescente. As mudanças cognitivas podem ser resumidas em cinco pontos principais ( Keating, citado em Steinberg, 1999 ):

 

= Adolescentes tornam-se mais capazes que crianças para pensar sobre o que é possível, ao invés de limitar seu pensamento sobre o que é real;

= Adolescentes tornam-se mais capazes de pensar sobre coisas abstratas;

= Adolescentes iniciam a pensar mais frequentemente sobre o próprio processo de pensamento;

= O pensamento adolescente tende a se tornar multidimensional, ao invés de se limitar a um único aspecto;

= Adolescentes apresentam mais probabilidade do que crianças para ver as coisas como relativas, ao invés de absolutas.

     Quanto ao desenvolvimento biopsicossocial do adolescente, entendemos que cada adolescente é um indivíduo com uma personalidade única e interesses específicos, gostos e desgostos. Em geral, porém, há uma série de tarefas de desenvolvimento que enfrentam todos os anos durante a adolescência.

      O início da adolescência é um período no qual o adolescente busca a independência, podendo desafiar a autoridade dos pais, se esforçando para estabelecer um sentido de autonomia emocional, ou individualização.    Muitos pais acham que a adolescência é um período difícil, que exige uma quantidade razoável de adaptação. . Mas a maioria das famílias são capazes de lidar com essas exigências de adaptação com êxito. Embora o significado das relações entre pares na adolescência cresce, a relação pais-filhos mantém a sua importância para o desenvolvimento psicológico do adolescente.  É amplamente aceito que o conflito entre pais e filhos é uma característica inerente da vida familiar, na adolescência.

 

    O diálogo ainda é a solução para uma adolescência sadia, harmônica e funcional na relação familiar.